À PALO SECO - BELCHIOR

  • 🎬 Video
  • ℹ️ Published 10 years ago
preview_player
UC0yn4GYBcHkcRJA2tg3Rrjw

Do LP ALUCINAÇÃO belchior, 1976

Se você vier me perguntar por onde andei
No tempo em que você sonhava
De olhos abertos lhe direi
Amigo eu me desesperava
Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 73
Mas ando mesmo descontente
Desesperadamente eu grito em português
Tenho 25 anos de sonho, de sangue
E de América do Sul
Por força deste destino
Um tango argentino
Me vai bem melhor que um blues
Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 73
Eu quero é que esse canto torto feito faca
Corte a carne de vocês (2x)


💬 Comments
Author

Belchior com a música A palo seco, está respondendo a uma crítica do cantor baiano Raul Seixas e seu parceiro Paulo Coelho, que o chama de “latino americano que não tem cheiro nem sabor” na música Eu também vou reclamar. Enquanto Raul sonhava com um mundo alternativo, Belchior viviam a realidade de uma ditadura militar; enquanto Raul se inspirava em artistas norte-ameticanos como Bob Dylan e Elvis, Belchior preferia se inspirar em uma realidade latina. “Um tango argentino me vai bem melhor que um blues”. Então, Belchior responde a essas críticas a Palo seco.

Author — Renato Neverton

Author

Se você vier me perguntar por onde andei
No tempo em que você sonhava
De olhos abertos, lhe direi:
Amigo, eu me desesperava
Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 76
Mas ando mesmo descontente
Desesperadamente eu grito em português
Mas ando mesmo descontente
Desesperadamente eu grito em português

Tenho vinte e cinco anos
De sonho e de sangue
E de América do Sul
Por força deste destino
Um tango argentino
Me vai bem melhor que um blues
Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 76
E eu quero é que esse canto torto
Feito faca, corte a carne de vocês
E eu quero é que esse canto torto
Feito faca, corte a carne de vocês

<3

Author — Stela Rufine de Souza

Author

Essa música bate um sentimento de tristeza e ao mesmo tempo uma paz interior, descanse em paz Belchior!

Author — Miss Ogro Tóxico

Author

É uma história... é pura melodia e das mais ricas em palavras... Hoje, infelizmente, raramente ouvimos algo semelhante... Parabéns pelo repertório!!!!  Ah, o mais fantástico é ouvir em vinil... 

Author — Edson Oliveira

Author

13 anos em pleno 2020 e sim eu amo este tipo de música

Author — t t

Author

Hj eu realmente
"Tenho 25 anos de sonho e de sangue e de América do sul"

Author — Mirelle Andreza

Author

Saudades desse que foi um dos grandes da MPB! Ouvi Belchior pela primeira vez em 1976, com 5 anos de idade, e hoje, com 46, posso agradecer a Deus por apreciar gente e canções brasileiras de qualidade em minha vida!

Author — Flávio Alves Pinto

Author

Saudades....Saudades...
Por onde andara nosso querido Belchior ?
Imagino eu, que com um Anjo bem Bohemio ... Bem Latino americano

Author — Gosto Rustico Ateliê

Author

Maravilhoso, meu poeta nordestino, te amarei pra sempre ❤️

Author — Isabel Feher

Author

Musicas do Belchior, que acompanho desde o inicio, são ouvidas com o coração e sentidas com a alma.... tem algo nestas musicas que se me perguntarem não sei o que é.... quanta sensibilidade em uma só criatura, , , , descanse em paz rapaz latino americano !!!

Author — Jose Ricardo Moraes

Author

O TEMPO ANDOU MEXENDO COM A GENTE SIM
O tempo, esse fazedor de histórias, mestre Vitalino da criação, modelador do barro, que dá vida e perece todas as formas, andou mexendo com a cabeça do poeta, deu-lhe o prazer da reclusão, do silêncio, do descanso, como se já previsse essa morte silenciosa, tal qual a sua escolha nesses últimos anos. Ele, o cantor, o poeta, o compositor, conhecia o seu lugar:
Não! Eu não sou do lugar dos esquecidos!
Não sou da nação dos condenados!
Não sou do sertão dos ofendidos!
Você sabe bem: Conheço o meu lugar!
E no Brasil, nesse novo tempo de agora, da massificação da música, do não lugar da poesia, da alienação política, em que jovens e velhos pedem a volta do Regime Militar, não cabia mais Belchior. No país dos esquecidos, ele antecipou o seu esquecimento, pelo menos o do ser biológico, já que o ser da criação, junto à sua obra, esse ficará.
Há muito tempo ele já havia nos dito, “saia do meu caminho, que eu prefiro andar sozinho, deixem que eu decida a minha vida”. E assim sua vida cumpriu o que nos antecipara a sua música.
“Se você vier me perguntar por onde andei no tempo em que você sonhava, de olhos abertos lhe direi, amigo eu me desesperava”. E o seu desespero, hoje, não era moda em 76. Era o tempo mexendo com ele, como mexe com todos nós. Ele que andava desesperadamente procurando pelo silêncio, silenciou ouvindo música clássica, amansando o seu coração selvagem.
O silêncio de Belchior nos incomodava porque carente estávamos, estamos, da sua palavra forte, sincera, objetiva, poética, cortante, porque hoje, mais do que nunca, estamos precisados desse canto forte que corte a carne de muitos, a garganta dos hipócritas. Há que nos contentarmos em ressignificar o seu canto do país ferido de outrora, com o país ferido de hoje, por meio de suas canções que nos parecerão sempre uma roupa velha colorida.
A voz de um poeta parece sempre mais forte quando ele parte. Os que assassinaram Lorca, talvez não soubessem disso, e os que fizeram Belchior escolher o lugar da reclusão, agora saberão, com seu canto torto feito faca cortando a nossa carne, reverberando em nossa memória. A voz desse menestrel, cancioneiro nordestino, nos tocará sempre, e nos dirá sempre “amar e mudar as coisas me interessa mais”.
"Eu tenho medo de abrir a porta
Que dá pro sertão da minha solidão
Apertar o botão: cidade morta
Placa torta indicando a contramão
Faca de ponta e meu punhal que corta
E o fantasma escondido no porão"...
Talvez tenha sido preciso vencer alguns dos seus medos, sobretudo o da solidão, para que, em paz consigo mesmo, partisse nesse avião, nesse vôo sem volta, ou apertar o botão desse país quase morto, que pouco lhe acolheu nos últimos tempos.
Há que sonharmos e escrevermos em letras grandes de novo, pelos muros do país, nossos anseios, porque os seus já foram escritos e inscritos na parede da memória. E o tempo, ah, esse não mexerá na sua poética que já deu conta de ser eterna, mesmo que na Divina Comédia Humana nada seja eterno.
IVAN SANTTANA

Author — IVAN SANTTANA

Author

"Tenho 25 anos de sonho e de sangue, e de América do Sul" 
- Que música linda, bela melodia e excelente letra ! 

Author — Alexandre Costa

Author

Nesse momento exatamente neste momento, essa á a música que está fazendo parte das nossas vidas!

Author — fernando rueda

Author

Um Artista com uma Qualidade Artistica Vocal

Author — RUBÃO CORREA

Author

Gravação fantástica. E esse vinil na vitrola é tudo de bom! Que saudade!!!

Author — Marcelo Ramos

Author

Só sei que nada sei, como pouco sei pouco me dou, só amo essa poética e tento nada entender, so da melhor maneira viver, salve Belchior, Taiguara, Carlos da'Fé, Tim, Odair José Vander Lee etc....

Author — Wagner Joinha Palmieri

Author

Como não ouvir acompanhado das lágrimas??? Obra máxima, da tradução de um sentimento!

Author — marcio luis nunes

Author

Muito boa a musica!! Un tango argentino te quedaría mejor que un blues!!!

Author — Walter Gustavo Telesca

Author

Vá em paz! Grande cantor e compositor. Grande perda para a MPB...

Author — Rosíris Almeida

Author

Poesia musicada, Belchior eterno👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

Author — Leonardo Borges